terça-feira, 1 de agosto de 2017

PARTILHANDO

Lembro de minha mãe, chamando minha atenção pelo motivo de ser madrugada, e eu lá, grudado no computador, muitas vezes mais de três da manhã.

Mas o quê poderia fazer?

Sempre senti que sou mais criativo nas madrugadas. Adorava estar ali, na frente do PC, escrevendo, pensando na música que postaria, sempre de acordo com o quê escrevia!


Nem o mais crédulo dos meus leitores acreditaria que estou de volta. Nem eu, aliás. Foram tantas voltas e sumiços, que nem eu mesmo tenho paciência de ler ou escrever sobre isso mais.

Minha mãe não ficava brava por eu ficar até altas horas acordado. Até porque àquela época, quando postava diariamente, eu tinha só um emprego, no período da noite. E por isso era notívago.
O tenso é que meu irmão dormia no mesmo quarto que eu. E o pobre rapaz acordaria cedo para trabalhar. Por isso mesmo que comprei um teclado mais silencioso.

Mas isso era no tempo do desktop.

Hoje, escrevo tudo no app do Blogger!
Tão simples e silencioso! E ainda ouço música enquanto escrevo! Abençoada tecnologia!


Sinto saudade.

Saudade de quando eu era muito mais inspirado para escrever. Comecei esse blog muitos anos atrás. E com o passar dois anos, a gente muda. E como muda.

Não queria levar para o lado triste da coisa, mas no mundo real, as expectativas nem sempre são alcançadas. Logicamente, temos muito a agradecer. Creio que o fato de eu ser um saudosista nato me impeça de não sentir falta. De alguém, de coisas, de tempos, realidades.

Uma vez li que os saudosistas tendem a parar no tempo porque pensam no quê passou, e não prestam atenção no que está acontecendo, e nem planejam o quê virá a acontecer. 

Não somos adivinhos, e o futuro à Deus pertence.


Mas lembro de uma virada de ano, onde planejei tudo bonitinho! Aquele seria "O" ano!
Aconteceu que nada aconteceu.

Não do jeito que achei que aconteceria.
Daí perdi a vontade de planejar de novo.
Só que o tempo passa. E não temos o luxo do tempo eterno.

Eu já quis mudar o mundo.

Mudar pessoas, realidades, achando que estava fazendo um bem pra quem me ouvia. E tudo foi de coração.
Já escrevi que muitas vezes, pensei ter a resposta pra tudo. E hoje acredito que isso seja normal. Isso porque, com quem converso sobre, sempre dizem que também já passaram por essa experiência. A de achar que sabiam de tudo.


Gente...

Lembram do MSN?! Do Messenger, no caso?


Lembro dos bate-papos até altas horas, aconselhando e sendo aconselhado.
E nessas vezes, achava que sabia de tudo no mundo, principalmente em relação aos sentimentos, à vida, nos mais variados casos.

Ah... Mas lembro também de quê escrevia com o coração!
A alma sempre estava à ponta dos dedos!

Talvez hoje em dia, eu não tenha mais a coragem que tinha, de falar coisas tão aqui de dentro de mim. Como já falei, o tempo muda a gente. Coisa de doido, né?

Certa vez percebi que estava testando o blog com muita intimidade, revelando muito de tudo, mesmo que entrelinhas.
Por isso, muitas vezes, sumi. 

Saía, e perdia o caminho de volta. Não sabia mais como retomar. Além do mais, não achava mais necessário. Acabava me virando eu mesmo com minhas próprias situações. Mas isso quando as postagens eram pessoais. Sempre gostei de compartilhar com quem me lia sobre coisas que gostava de assistir, jogar, ler, ouvir. Vez ou outra me pego lendo posts daquele tempo. Mas é vez ou outra MESMO!
Você já teve a impressão de que, às vezes, você olha pra trás e não conhece mais aquela pessoa que foi?

Saudosismo. Sinto saudade de como me portava. E de como era olhado.
Já foi olhado por alguém que te admirava de verdade? Aquele olhar de "viagem"?
Nas vezes que fui olhado assim, adquiri uma marca no meu coração que registrou aquele olhar! Não esquecerei nunca mais. Uma pena que, em meio à tantas limitações, aquele olhar não exista mais.
Pensei que poderia reclamar por isso, mas aprendi que o culpado fui eu mesmo. E que confiança é linda como o cristal, mas tão frágil quanto.
É até poético o quê dizem: "Confiança é como o cristal: uma vez quebrada, nunca mais é a mesma coisa".
Só que experimentar isso não é tão bonito.

Na real, nem sei por quê estou escrevendo isso. Me veio esse pensamento agora. Pode ser que seja a música que estou ouvindo. Músicas tem um poder sobrenatural sobre mim. Sempre tiveram.

Desejaria que as pessoas que me liam, anos atrás, estivessem aqui. Pra falar pra elas que agradeço o fato de terem feito parte de minha vida, tanto tempo, de perto ou de longe! E embora umas eu tenha afastado, e outras tenham se afastado, todos tem parte importante em minha formação.

Já fui mais grato. Gostaria de ser mais.

Creio que personagens sejam moldados dentro de nós. E se os alimentarmos, eles passam a ser a gente na maior parte do tempo. Não que eu seja assim. Foi só mais um pensamento.

Constantemente ouço comentários sobre o tempo que tem passado tão depressa. Acredito que, por termos menos tempo pra gente, sentimos ele passa mais rápido. Mesmo a família da gente, que também tem seus trabalhos, não vemos como gostaríamos. Isso porque cada um tem sua vida, gostos e realidades. Nem sempre compatíveis aos nossos. Fez parte do ser humano.

Hoje é primeiro de agosto.

Retorno à terapia do Blogger, sem ter o feedback que tive de pessoas que tive no passado. 
Engraçado!
No passado, eu escrevia tendo a certeza de que, quase que ao mesmo em que redigia, tinha alguém comigo, escrevendo comigo, participando da criação!
Hoje, esse cantinho que tenho na internet parece que ficou maior e mais vazio.
Reforça a tese de que "aquele que constantemente se ausenta, uma hora deixa de fazer falta".
Triste, né?
Quando alguém deixa de fazer falta pra gente. Como pode?

Precisamos cuidar bem de quem nos rodeia.

Por isso, antes de terminar, registro meu agradecimento à todos e todas que já passaram pela minha existência.
E sei que foram muitas pessoas!
Aprendi, porém, que nem todos vem pra ficar.
Vem, aprendemos juntos, e partimos.
E com poucos, vamos vivendo e convivendo. Aprendendo, machucando e sarando. 
Assim é a vida.
Já é agosto.
Que bom que temos a oportunidade de estarmos juntos novamente!
Não será como antes.
Melhor?
Pior?
Não sei.
Mas que bom que será diferente.

Postar um comentário